William


Deixe que o aroma se prolongue,
e pinte imagens em minha mente.
Os olhos dela, bolas de mel,
sua risada, anjos tocando harpas.
Oh, cotovia, dê um sinal,
se a flecha de cupido torta estiver.
Ouça! A cotovia! O nome dela fala.
Cecily, ela dispara com seu minúsculo bico.

Fool for Love
Lies My Parents Told Me

Spike antes de ser Spike era o jovem poeta William, apaixonado pela bela Cecily Addams (ou Underwood) na Londres vitoriana do século XIX. Todos o chamavam de [WilliamThe Bloody] por causa da poesia horrível que escrevia.

William vivia numa casa confortável com sua idosa e doente mãe, Anne, a quem amava muito e por quem era amado igualmente. Ele costumava ler suas poesias para ela, que as escutava com prazer. Por sua vez, Anne gostava de ter o filho ao seu lado e cantar para ele sua música preferida, [Early One Morning], enquanto bordava. Anne incentivava o filho a procurar uma boa moça para se casar, dizendo que ele precisava de uma mulher ao seu lado. O doce William respondia a mãe que "já tinha uma mulher ao seu lado", referindo-se a própria Anne. Mas ele reconhecia que ainda não havia perdido as esperanças de que a casa, um dia, abrigaria mais uma pessoa do sexo feminino. E garantia à mãe que, quando isto acontecesse, ele continuaria a cuidar dela.

Certa noite do ano de 1880, William vai a uma festa, mas fica isolado, num canto do salão, escrevendo versos para sua amada Cecily. Enquanto isto, alguns dos convidados estão discutindo sobre misteriosos crimes que vêm acontecendo na cidade (causados por Angelus, Darla e Drusilla), e que a polícia não consegue solucionar; William diz que prefere "não pensar nestas coisas depressivas, feias." Segundo ele, é melhor colocar sua energia "na criação de coisas bonitas."

Meu coração se expande
Formando uma saliência

inspirado por sua beleza, efulgente.

Cecily está presente à festa; tomado de súbita coragem, William resolve declarar seu amor à jovem, mas a moça, esnobe, o rejeita completamente, dizendo que ele é inferior a ela.

Desesperado, William sai pela noite londrina, rasgando a poesia escrita para sua amada e é neste estado de espírito miserável que ele encontra a vampira [Drusilla], e por ela é mordido.
 

Lies My Parents Told Me

Logo após ter se transformado em vampiro, William leva Drusilla (agora sua amante) até sua casa; ela não sabe, mas a intenção dele é transformar Anne em vampira também — por amor. Ele quer que sua mãe tenha vida eterna e que viva com ele para sempre. Contudo, o resultado é desastroso: Anne, transformada em vampira, sem alma, é um verdadeiro demônio — bem ao contrário do filho, que mesmo sem alma conservou a capacidade de amar. Logo no primeiro encontro dos dois, William fica arrasado com as palavras — e atos — terríveis que Anne reserva para ele. Ela diz que desde que o viu pela primeira vez, sua vontade era de ter arrebentado sua cabeça, que sempre teve esperanças de que ele largasse da barra de sua saia, pois só o que ele fazia era atrapalhar sua vida. Acrescenta que não quer passar a eternidade ouvindo as poesias horríveis dele e ainda afirma que o que William sempre quis era "colocar suas mãos em cima dela" e parte para cima dele, com intenções incestuosas. Desesperado, William não vê outra alternativa: a estaqueia com a bengala que Anne costumava usar, causando um trauma que o acompanharia durante boa parte de sua não-vida.

Algum tempo se passa e seu nome deixa de ser William: o ex-poeta toma o apelido de Spike, por causa de seu gosto, segundo as crônicas dos [Guardiões] — que nem sempre estão certas — em torturar suas vítimas com aqueles pinos usados em estradas de ferro (railroad spikes em inglês). Será porque, pouco antes de ser maltratado por Cecily na festa, um dos convidados criticou duramente sua poesia dizendo que preferia ter railroad spikes enfiados na cabeça do que ler a poesia de William?


Fotos: [Screencappiness]

HOME